Arquivo mensal: fevereiro 2013

Juventus perde em campo pra Portuguesa, fora dele, torcida da show no Canindé


Ontem no clássico das colonias, se viu um bom jogo entre Portuguesa e Juventus. Em campo, no primeiro tempo a Portuguesa foi ligeiramente melhor, com mais volume de jogo, assustou mais o goleiro Juninho.  Portuguesa fez 1×0 numa falha da defesa Juventina, apos o rebote do goleiro, sobrou livre para marcarem 1×0 Lusa.

2013-02-17 15.49.14 2013-02-17 15.55.52 2013-02-17 15.55.59 2013-02-17 16.22.02 2013-02-17 16.22.11 2013-02-17 16.27.02

No segundo tempo, o Juventus jogou bem melhor, criando mais chances de empatar o jogo, empurrado por uma grande massa Juventina no Canindé que não parou um minuto. Mesmo assim o Juventus assistiu o adversário marcar mais um, após cobrança de falta que os juventinos reclamaram impedimento.  Elvis descontou em seguida, mas parecia ser tarde. 2×1 Lusa em campo, o que já era esperado, mas não da forma que foi. Juventus jogou bem e merecia o empate e mais uma vez os Juventinos deram show nas arquibancada.

Nem dou corda para o que os outros dizem fora do estádio, de boa, a tarde ontem foi de mais, pelo clima do jogo, pelos cerca de 200 Juventinos enlouquecidos no metro, enfim,   não me importa a derrota, é triste, mas sai muito satisfeito com que vi dentro e fora do campo.

Osasco em casa Quarta, espero eu que com portões abertos.

Forza Juve!

Juventus x Portuguesa, chegou a hora do clássico


Juventus x Portuguesa, clássico sim senhor! Amanhã no Canindé mais um jogo entre Juventus e Lusa. As duas equipes fazem campanhas parecidas, com a Portuguesa tendo uma vitoria á a mais que o Juventus nessa competição. Já o Juventus busca afirmação nesse torneio e sabe como é complicado jogar no Canindé contra os padeiros.

 

lusaxjuve

 

 

Canindé ás 16h, domingo de tarde, o verdadeiro clássico da tarde, tudo por acontecer, até uma vitoria surpresa do moleque no campo do trator enterrado.

Esperar do Claudemir Peixoto muito é difícil  mas a Portuguesa não faz um brilhante campeonato, mostrando á todos que é um time normal, como todos bem abaixo do que eles imaginam que são.

Vamos com tudo Juventus, pra mais uma vitoria!

Último confronto em 2008: 

Forza Juve!

Juventus derrota Santacruzense e respira na tabela.


O Juventus conseguiu hoje sua terceira vitoria no Paulista Serie A2. Com os portões fechados ( não foi porque a Javari é antiga como o blog da diretoria disse, é porque o Juventus fraudou um laudo dos bombeiros) o Juventus fez um jogo equilibrado no primeiro tempo, e havia tomado duas bolas na trave.

Gols só no segundo tempo. Aos 6 minutos, Rafael Magalhães começou a tomar conta do jogo, e fez 1×0. Pouco tempo depois, Conrado ( não é aquele) empatou para o Santacruzense, 1×1. Parecia que mais uma vez o Juventus ia decepcionar jogando em casa, mas apareceu a estrela de Rafael. Aos 34 e 46, Magalhães fez mais dois gols no jogo e deu a vitoria de 3×1 para o Juventus, o que deixa o clube próximo do G8.

Não da pra falar em vaga, mas ao menos, vamos ficando longe da zona de rebaixamento, perdr pontos em casa não dá!

Domingo é o clássico contra a Lusa..

 

Forza Juve

Sem publico, Juventus encara o Santacruzense em busca da vitoria.


Não sei se é relaxo, ou se é medo da torcida, mas sei que amanhã o jogo será sem a presença da massa Juventina. Após perder novamente sábado para o Monte Azul, a zona de rebaixamento voltou a assombrar a equipe Juventina. Ainda teve essa, a Rua Javari está fechada pelo corpo de bombeiros e espera novo laudo para voltar a liberar a javari para a semana que vem.

São 4 derrotas em 6 jogos, campanha semelhante ao ano em que caímos para a A3 em 2009, e com uma equipe, se não igual, pior que aquela. Claudemir Peixoto não joga pra frente, não olha para a base e tem medo de ganhar. Ai dificulta muito não é mesmo? Somos o 14° colocado com 6 pontos, e uma derrota podemos voltar para a zona de rebaixamento.

543747_333350450119591_949309295_n

 

 

A Rádio Web Mooca transmite o jogo Ao Vivo, amanhã ás 16h com narração do Renato Corona. O adversário é o lanterna Santacruzense, que trocou de técnico na ultima rodada. Caso uma derrota Juventina, alguém ficará com grandes chances de perder emprego.

 

Rezemos á San Gennaro amanha!

Forza Juve!

Juventus bate Rio Branco, derruba o Ferreira mais uma vez na primeira vitoria em casa de 2013.


Voltamos a vencer em casa. E fazia tempo, desde o dia 1/08/2012, quando batemos o São Bernardo em casa ainda pela Copa Paulista não vencíamos na Mooca.

O velho trapo do Gato preto estava na Javari para tirar a “zica” do time, do mesmo lado de sempre, o bichano viu o triunfo do moleque, com dois gols no gol da setor, do lado onde estava. A mistica voltava, em peso, e isso ajudou de certa forma.

Tuta marcou seu primeiro gol, de penal, e que venha mais gols de todo quanto é forma para o nosso favor.

Com a derrota do ti,e de Americana, Luiz Carlos Ferreira caiu, de novo na Javari. Agora é ir pra cima do Monte Azul sábado, fora de casa e vamos á mais três pontos!

Forza Juve!

Gols de JUVENTUS 2 X 1 RIO BRANCO 

Análise do jogo por Ricardo de Castro: (www.bolapromatoblog.blogspot.com)

Primeiros gols na Javari em 2013 garantem a vitória do Moleque

06 de fevereiro, quarta-feira. Na incomoda 17ª colocação, o Juventus precisava da vitória. Pela frente, o Rio Branco do velho Ferreirão, que pisava novamente na sua antiga casa. Duelo de times em maus lençóis e de treinadores com o emprego em jogo. Dessa vez, melhor pra Claudemir Peixoto. Vitória fundamental que leva o Moleque pro meio da tabela, ainda não no G8 mas, fundamentalmente, fora do Z4.Nas cobertas, quase um time de futebol. Xavier, Biselli, até Celsinho, atacante com passagem em 2011. E Romarinho, jóia mal-tratada das canteras juventinas. Enfim, em campo: Juninho; Getúlio, Fubá, Matheus e Loyola; Paulo Henrique, Djair, Rafael Branco e Élvis; Magalhães e Tuta (C). Em tese, um 4-4-2, com dois volantes lado a lado e dois meias da mesma forma. E dois atacantes fortes pela primeira vez começando a partida, formação que funcionou bem hoje com Tuta e o aniversariante Magalhães.

Começando pela defesa, ambos laterais tiveram seu melhor rendimento no campeonato. Getúlio e Loyola guardaram mais posição e os famosos buracos em suas costas não foram tão vistos; no apoio, Loyola foi o melhor dos dois, conseguindo boas jogadas pela linha de fundo, uma inclusive sofrendo penalti não anotado pelo juiz. O meio-campo também pela primeira vez mostrou consistência, com dois volantes de pegada, Djair e Paulo Henrique, protegendo a dupla de zaga.

Quando me refiro a um 4-4-2 em tese, é porque a movimentação de um jogador altera esses números e define a força do meio-campo de hoje. Rafael Branco teve, novamente, brilhante participação tática. Em jogadas defensivas, ele se posicionava como terceiro volante e deixava o time num 4-3-1-2. Com a posse de bola, ele subia à última linha de frente, se tornando terceiro atacante, aberto, um 4-2-1-3; nessas jogadas, ele era o jogador que saia pra tabelas com laterais ou com o próprio Élvis, para as duas torres de ataque entrarem na área.

Com Rafael, Élvis, destaque da partida, correu menos pra trás. Jogou na sua e pode ser o cérebro do time. Todas as bolas tinham seu carimbo: troca de passes, viradas de jogo, bolas em profundidade. Rafael foi o Saulo da A3, o escudeiro do maestro e motor do meio-campo.

Bom, o jogo. Equilibrado, foi empatado pro intervalo. Mas na segunda etapa o time veio buscando muito o gol. E ele chegou por merecimento. Em jogada de escanteio, Magalhães escorou e a bola foi pras redes, 1 a 0 – não tenho certeza do gol contra, mesmo assim o camisa 11 participou da jogada.

Embalado, Magalhães arriscou chute de fora da área, em boa escorada de Tuta. O segundo gol era questão de tempo. Em poucos minutos, de tanto insistir, penalti, para o capitão do time bater. Seguro tiro de Tuta, que foi para o alambrado do setor celebrar o 2 a 0.

Com a vitória tranquila, Claudemir sentiu uma coceirinha para retrair o time. Três alterações seguidas: saem Tuta, Élvis e Loyola; entram Paulo Santos, Luciano e Téssio. Duvida se os aplausos da primeira troca foi para Tuta ou para o maqueiro que consegui carregá-lo para fora.

Ainda no fim, aquele sufoquinho que o Juventus adora tomar no fim das partidas. Um gol tomado e outro anulado por impedimento. No final das contas, 2 a 1.

Bom, vencemos. O time melhorou, teve padrão. Por outro lado, o Rio Branco é um adversário fraco; batê-lo não significa que melhoramos tanto assim. Devemos ter calma com a vitória, diagnosticar falhas que se repetiram, mas também pontuar evoluções, como fizemos aqui: laterais mais bem posicionados, meio-campo consistente, compactação entre as linhas de jogadores. Sobretudo, mais vontade de vencer!

A próxima partida é contra um dos líderes: Monte Azul, fora de casa, no próximo sábado. Vejamos se o treinador mantém o esquema ofensivo ou troca um dos atacantes (provavelmente Magalhães) por um volante. Hoje foi até que bem, mas estamos de olho, Claudemir. #ForzaJuve

Saudações juventinas!

Fotos de Ale Viana, no Forza Juve:

Forza Juve!!!

E agora Peixoto? Juventus perde para o Velo e vai afundando na Série A2


Amigos Juventinos de verdade ou Juventinos de coração, o que foi visto sábado foi de dar pena. Uma equipe covarde e sem padrão, dependendo muito do Élvis para tudo que não tem poder de reação. Isso é o nosso Juventus 2013, uma equipe que não faz nada em campo. Claudemir é covarde, retranqueiro e escala mal os atletas, que também são ruim de mais. Tudo isso resultou sábado  em mais um vexame em campo.

Nosso único grande momento no segundo tempo, alem de um gol incrível perdido na pequena areá foi a cabeçada do nosso goleiro Juninho. Sim, nosso goleiro ao menos fez melhor que nosso atacantes sábado.

E assim estamos na zona de rebaixamento, prontinhos para irmos para a Série A3 novamente. juvea3

 

GOL DE JUVENTUS 0X1 VELO CLUBE:

 

No final do jogo, enquanto os caras de Rede TV! estavam mais preocupados em comer canolli, nosso galera estava pronta para esculhambar a diretoria.

 

Forza Juve!

Mais um brilhante texto de Ricardo de Castro: (www.bolapromatoblog.blogspot.com.br/)

Incompetência + covardia = vexame. E ainda me falam de arena…

Sábado, 02 de fevereiro. Manhã de sol forte na Mooca, de derrota e de algumas questões: Onde estaria Lucas Biselli, fora até do banco? E Jean, garoto promessa da base? E o sempre esforçado Romarinho, por que não tem espaço na Javari e teria em Americana? E Pedro, artilheiro da base, não serve pra entrar num time como esse? E Luciano e Getúlio: isso é sério? E (apesar de gostar também do Juninho) por que barrar Túlio, que salvou a gente de uma surra em Araraquara: a culpa do gol depois de uma retranca sem vergonha foi dele por acaso?

Perguntas, perguntas… e um incompetente para responde-las. Ou não, afinal da covardia de um treinador como o nosso ilustre Claudemir, não se espera muita coisa. Nem muitas respostas.

Entrando na Javari e lendo a escalação, tive uma boa expectativa. Novamente no 4-2-3-1. Como novidades, Paulo Henrique como volante ao lado de Paulo Santos, tentando uma melhor saída de bola. Pelo lado esquerdo, em lugar de Biselli, a estreia de Marlon (ou Ataliba). Pela direita, Rafael Branco. Rafael que até a expulsão boba de Corte, lateral esquerdo, era o melhor em campo. Perfeito taticamente, ainda era quem mais arriscava as jogadas. Porém, a expulsão mudou tudo.

Téssio entrou na lateral para recompor a defesa, sacando Marlon. Com duas linhas de quatro atrás da bola (4-4-1), o time acabou. Magalhães se isolou, sempre contra 3 ou 4 zagueiros. E a aposta seria nos contra-ataques.

Logo no começo da segunda etapa, gol do Velo. Élvis foi até o fundo para marcar, mas não bloqueou o cruzamento fatal. Sem capacidade e atitude de dominar a partida, o melhor até então cansou e Rafael ficou sem pernas. A bola batia e voltava, Magalhães não conseguia segurar a bola na frente. Vaiado, Claudemir bem que tentou se eximir de responsabilidades: jogou a culpa em Rafael, tirando o camisa 9 para entrada de Tuta. Brilhante, Claudemir foi adepto do “6 por meia dúzia”. O que isso ia melhorar? Um cara de 38 anos, que ficou na sombra e não correu mais de 300 metros.

Para mostrar a bagunça do time de Claudemir, o principal armador era Téssio. Patético, né? Élvis corria corria, mas não era sua melhor manhã. Getúlio, ao mesmo tempo, mostrava todo seu vigor, técnica e vontade na lateral, sob as entusiasmadas orientações de “vamo, pô” do seu treinador. Para colocar a chamada “pá-de-cal”, o matador Luciano, faltava ele.

Fosse só burro, mas é covarde. Quem mais se manifestava no banco era Túlio, inconformado não apenas com a sua situação mas com a postura da equipe.

1 chute a gol. Um mísero chute. Esqueceram que Giulliano estava na meta do time rioclarense, um consagrado frangueiro com passagem pelo time grená ano passado.

A melhor chance, pra ter ideia, foi do goleiro Juninho, que subiu desesperado para o cabeceio e quase faz um gol que mudaria o placar, o ânimo. Mas não tiraria a comissão técnica da berlinda.

A manifestação das arquibancadas no segundo tempo já determinou dois lados antagônicos. Já se entendeu que seu tempo se esgotou. Ao menos de uma atitude dos perdidos diretores, o Juventus volta para a A3. Sério.

Essa próxima quarta vai pegar fogo. Compareça, dê um gato no trabalho, na escola. Arranje um atestado, diga que vai visitar a sogra! Precisamos de vozes e paixão para colocar, de algum jeito, o Moleque no caminho certo. #ForzaJuve

Saudações juventinas!”

 

Nota de esclarecimento, por Ricardo Pucci


Devido a falta de Rua Javari constante, coisa que pratico desde 2008, algumas pessoas que só botam o pé na Javari  (se é que botam) quando o time está bem para comer canolli vieram até esse blog, talvez achando que sou parante dos Pucci da diretoria do Juventus.

Caros leitores contante desse blog, vocês sabem que não, logicamente, faço mais por esse clube que muito diretor. Reconheço que sim, os Pucci do Juventus já foram muito importante para o clube, e que hoje ainda existem pessoas lá dentro que fazem muito por esse clube.

Infelizmente, desde o ano passado um certo cidadão Palmeirense vem tentando aparecer e se promover as custas desse grande clube, em vez de se preocupara com o time dele, o Palmeiras.  Sou imparcial mesmo, fazer o que, falo o que quero aqui, por ser Juventino único e ir em vários jogos, SOU MAIS JUVENTINO sim, que muito torcedor misto, e FODA-SE a maldita opinião de quem não gostar.

Nem sei porque estou escrevendo, não devo satisfação á nenhum torcedor moquense que não tira o pé do bairro pra merda nenhuma e vem falar bosta aqui. Não ando na rua com a camisa do Juventus porque acho legal, não vou pra balada com ela pra pegar ninguém,  uso porque esse é meu time.

To nem ai, me cago para o que sai do Juventus em outros blogs “Juventinos” que não são de Juventinos mesmo. Se quer me conhecer, me ache na Javari, lá atras do gol da Setor 2, antes de fazer como o outro cidadão que possui, INFELIZMENTE meu sobrenome Internet á fora.

Desculpe se fui grosso, mas tem gente que precisa sair mais de casa, inclusive do bairro.

Boa Noite.